navegar pelo menu
28.6.18

Irmão, volta para casa

Já faz semanas que você desapareceu. Assim que nossa mãe percebeu sua falta, ela não quis aceitar isso e preferiu acreditar que você estava atrás de alguma gata no cio. Não vou mentir, eu também. Depois de dias sem você aparecer, ela começou a ficar realmente preocupada, você sentiria fome, frio e saudades nossas, principalmente do colo dela, ela sabe que gostamos muito desse colo.

Nossa mãe perguntou à mulher da barraquinha se tinha visto você andando por ali mas ela disse que não viu nada e até achou que você fosse aquele cara chato que tem a sua cor mas é malvado, você nunca foi malvado. Pois é, também achei ofensivo.

A próxima pessoa a quem ela perguntou foi à irmã dessa mulher, aquela nossa vizinha que mora com Dora, aquela que adora brigar com a gente, lembra? Ela falou para nossa mãe que um cara tinha passado por aqui umas três vezes atrás de um de nós para levar para casa. Nossa vizinha avisou a ele que todos nós que vivemos por aqui temos donos. Ao ficar sabendo disso, nossa mãe surtou. Naquela noite ela não dormiu, chorou escondido mas eu vi e Srtª me contou também. 

Alguns dias depois sentimos um cheiro de carniça atrás daquele muro por onde andamos. Mamãe não conseguiu entrar lá para ver se era você mas o cara que mora lá dentro disse que era um gato preto e branco. Eu não consegui saber se era você mas ela quis ir lá para confirmar ou não, ela reconheceria, mas o cara já tinha enterrado. Então ela aceitou sua partida. Aceitou que tínhamos perdido você para sempre e vivemos o luto. 

Ela decidiu se concentrar nos nossos sobrinhos.

Nossos sobrinhos estão bem grandes e parando de mamar. Nossa mãe tem ajudado Srtª a cuidar deles, já que ela é mãe de primeira viagem. Embora todos esses cuidados, a menina está muito doente dos olhos. Mamãe tem limpado com soro fisiológico mas só tem piorado e já que o menino tem começado a comer ração, Srtª não tem mais muito interesse em dar de mamar, embora todos os esforços de nossa mãe. Estou contando isso porque é nisso que temos nos agarrado, principalmente ela. 

Eu fico mais distante deles, tenho passado mais tempo fora de casa, eu sei que você não é burro de comer um veneno ou ir embora assim da nossa casa. Tenho procurando você por aqui. Esses dias fui até na gruta a sua procura, papai me viu e voltei correndo.

Hoje nossa mãe recebeu uma notícia pelo papai. Ele disse ter encontrado uma mulher que passa por aqui constantemente e ela disse ter visto um cara ter pego você e colocado numa caixa junto com outra gata, disse que pelo jeito ele é de engenho. Eu sabia que algo assim tinha acontecido! Só não queria dar falsas esperanças para eles, já estavam tão tristes... 

Agora a ansiedade dela está a mil. O corpo dela tem reagido a essa tristeza - tremedeira, dor de cabeça, dor de barriga - e tem chorado muito também. Colocou campanhas na internet em sua procura com fotos suas e número para contato. Ela tem muita esperança em te encontrar novamente, ouvi ela dizendo que se descobrir quem te levou, vai em cima do cara, vai buscar você.

Então se você está lendo isso e não souber como voltar para casa, dá uma caminhada pelo território, deixa as pessoas verem você, mas com cuidado, pessoas de engenho comem os de nossa espécie. Fique alerta. Enquanto isso, sigo procurando você por nossa redondeza. Só volta logo, estamos com saudade.

Com saudades,
Gori.

2 comentários:

  1. Eu não sei se estou completamente certa, mas li como se fosse uma carta entre gatos. Eu achei lindo e meio que consegui entrar no personagem. Parabéns!

    <3 com carinho, pipi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acertou, Pipi hahahaha
      São meus filhos :c:
      Obrigada pelo comentário e pelo carinho <3

      Excluir

Oi, obrigada por vir e volte mais vezes ♥

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial