navegar pelo menu
4.5.18

Conselho de amiga: faça terapia


Estou na terceira semana da terapia.

Infelizmente esperei ficar na pior situação possível para buscar ajuda profissional. Achava que era bobagem, que a médica ia escutar o que eu tinha para falar e depois me mandar para casa porque era tudo uma grande bobagem, que eu podia muito bem resolver tudo aquilo sozinha e que eu só não tinha resolvido porque não quis.

Quando eu chegava à conclusão de que, sim, eu precisava de ajuda, alguém chegava e me dizia o que eu tinha medo de ouvir porque eu já repetia para mim sempre: você tem tentado mesmo de verdade? 

As pessoas podem ser bem cruéis mesmo sem perceber, não é? Daí quando tentamos argumentar, reformulam a frase mas tendo o mesmo sentido. A pergunta não é sobre como nos sentimos, não é sobre as dificuldades que estamos enfrentando, não é uma dica sobre procurar um profissional, até porque ninguém tem que ter os melhores conselhos mas um profissional pode saber o que fazer com tudo isso. Não. A pergunta é sobre o que não conseguimos fazer, mesmo tendo sido explicado tantas vezes.

Porque, fala sério, quem não gosta de cumprir suas metas? De ler um bom livro como estava acostumada anos antes, quando lia quatro por mês por prazer? De realizar coisas novas, fazer uma boa limpeza no chão só pelo simples motivo de se deitar nele? 

Não conseguir realizar o que nos dá prazer é o alarme gritante de que a ajuda é necessária. Não dei ouvido a esse alarme. Esperei passar por várias crises até chegar na última em que fiquei sem ar e quase ia caindo no chão do banheiro. Assim fiquei três dias: tonta, sem ar, sem vontade de comer, sem vontade de mexer no celular, de falar, nada. 

Marquei a consulta no meio desses dias e fui com muito medo, mas o medo de qual seria o próximo estágio daquilo tudo era bem maior. Eu nem sabia o que era aquilo tudo.

O diagnóstico foi certeiro: ansiedade. Só de saber contra o que eu estava lutando já me deixou mais leve. Aprendi algumas técnicas de respiração e comando mental para se acontecesse da crise vir à tona e desde então nunca mais passei três dias de inferno como aqueles. Agora sei o que acontece comigo e o que preciso fazer caso eu sinta me dominando, então se vier já saio dessa mais rápido.

Não tomo remédios. Sei que tem algumas pessoas que necessitam dessa medicação mas no meu caso, não precisou. A procura por uma psicanalista talvez tenha ajudado nessa decisão, visto que se eu tivesse ido para uma psiquiatra teria mais chances de ser receitada a tomar alguma coisa. Essa questão é muito subjetiva, acredito.

Já sinto muitas mudanças mas vou esperar completar pelo menos um mês para falar sobre elas. Ainda estou sentindo elas e feliz pela conquista de cada uma delas. 

Saber que não estamos e nem precisamos resolver nossas questões sozinhos é um divisor de águas. Aceitar precisar de ajuda não é uma fraqueza. É preciso ser forte para admitir e dar a volta por cima, principalmente com tantas adversidades ao nosso redor dizendo que isso não é verdade. Ir na onda dessas pessoas só nos faz ter os mesmos problemas psicológicos que elas tem e que elas não solucionam por acreditarem serem robôs.

Somos feitos de pele, carne, ossos e coração. Sangue corre dentro de nós. Não podemos mais nos tratar tão mal por causa de um egoísmo com nós mesmos que foi formatado socialmente. Essa amarra custa caro e atrapalha a realização de nossos sonhos.

Conselho de amiga: faça terapia.

4 comentários:

  1. Terapia é algo maravilhoso. Eu faço terapia a mais de 10 anos. Minha terapeuta me acompanha a tanto que acabou se tornando uma amiga da família. Ansiedade é algo muito ruim. Sinto muito que você tenha que passar por isso. Mas que bom que está encontrando respostas e maneiras de controla-la. Eu faço uso de remédio e "não consigo" ficar sem, devido aos lances químicos do cérebro e ao fato de 'acreditar' que não vou ficar bem sem. Ajuda muito, mas é como uma bengala sabe? As vezes a gente acaba se apoiando demais nele e esquecendo de enfrentar de fato o problema. Boa sorte com essa fase, é difícil, mas como uma pessoa que também passa por isso, posso dizer que tudo da-se certo. Fique em paz. Um grande abraço. :D

    flarisme.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Larissa, não sabe como fico feliz ao ler isso tudo, faz eu me sentir numa comunidade, sabe? Muito obrigada por toda força, mando em dobro pra você. Acho o uso de remédios bem complicado mesmo, mas se ajuda você a vencer todos os dias, tá tendo o seu valor, né? Espero que um dia possa se livrar dessa "bengala" mas enquanto isso, use-o para alcançar seus sonhos <3

      Excluir
  2. Estar em um estado que se precisa urgentemente de terapia é ruim, mas eu fico feliz sempre que ouço alguém dizendo que começou a fazer, porque eu sei o quanto iniciar esse processo não é fácil... falar sobre sentimentos ruins não é nada agradável, mas depois faz um bem danado. Parabéns por enfrentar o que te faz mal e que essa ansiedade vá embora logo!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah Luh, muito obrigada!
      A primeira vez foi bem difícil mesmo, até chegar nela foi ainda mais complicado. Também fiquei muito feliz em finalmente conseguir ir e meu conselho pra geral é logo esse haha é tão bom e ajuda tanto que nem dá pra acreditar antes que já faça parte ><
      Obrigada pela força <3

      Excluir

Oi, obrigada por vir e volte mais vezes ♥

Postagem mais antiga Página inicial