navegar pelo menu
21.12.17

365 dias de infinito


Há quanto tempo o conheço? Acho que a primeira pergunta deveria ser "o que significa conhecer alguém?" Estar o mais perto possível? Moro na mesma casa que ele há pouco mais de sete meses. Isso é perto o suficiente? Ou conhecer seria saber de sua existência? Tenho conhecimento disso desde o fundamental; mesmo ainda não tendo visto seu rosto eu já sabia que existia um rosto para aquele nome.

Fui para o ensino médio, me distanciei das pessoas que me trouxeram aquele nome e o esqueci. Poderia tê-lo conhecido naquela época se meu pai tivesse me deixado ir ter as aulas de artes marciais que eu queria, mas não aconteceu. Fico me perguntando se estaríamos aqui agora se não fosse esse "não" sem motivos, penso que eu seria como uma filha para ele como são todos os seus alunos.

Mudei de escola, por consequência mudei meu ciclo de amizade (que nunca foi lá muito grande ou forte onde eu estava antes), arranjei meu primeiro namorado, achei que estava apaixonada e amando e talvez eu estivesse mesmo, não vou cuspir no prato que comi. E comi muitos pratos desse tipo, então não vou cuspir em nenhum deles, foram importantes e colaboraram de alguma forma para eu ser quem sou hoje, para eu ser a pessoa que pudi amar antes de chegar nele.

Tentei a faculdade por alguns anos sem nem mesmo saber o que queria. Existe algum motivo obscuro que faz as pessoas à nossa volta esperarem sempre algo de nós, querem que saibamos o que estamos fazendo, querem saber o que queremos para nossa vida inteira... E isso tudo quando temos 16-18 anos de idade. Quem sabe o que quer aos 18 anos de idade? Quem diz que sabe não sabe a metade das coisas que pode fazer na vida e/ou foi apresentado a ela pouquíssimas opções. No fim das contas eu queria tantas coisas que na verdade eu não queria verdadeiramente nenhuma. Nada era para mim.

Mas eu continuei, tentei concursos, queria agradar ao me pai. Oh coisa difícil de se fazer!

Foi estudando para um concurso que cheguei até ele. Aquele nome que tinha um rosto que eu nunca havia visto, eu o vi. E só me dei conta de quem era, semanas depois de vê-lo três vezes por semana, passando em média três horas por dia o vendo. Minha memória nunca me ajudou então não me surpreendo.


Por algum motivo sempre me encantou. Desde o seu nome e o que ele fazia quando era contado por meus colegas de escola... E então eu o estava vendo quase todos os dias da semana. Eu o admirava, gostava de estar no mesmo espaço que ele, gostava da sua voz e de como se movia, perdi a conta de quantas vezes me pegava o observando demais. Era muito mais velho do que eu, com certeza eu era muito cansativa para alguém com tanta experiência, então evitava puxar conversa para não cansá-lo. Se ele me considerasse como filha já era muito, eu gostaria de ser sua filha. 

Mas, não se fica nervosa só de olhar nos olhos de um pai de consideração, certo? Isso sempre acontecia! Numa luta ele dizia "Olhe nos olhos, nos meus olhos, não olhe para as pernas, assim você é atacada" Eu já havia sido nocauteada e ele nem sabia. E nem eu. 

Quase dois anos se passaram assim. Em meio a isso eu estudava e namorava, um cara depois do outro eu amava e terminava e voltava. Até que ele agora estava com um celular. Peguei o número, disse que o chamaria no watsapp naquele mesmo dia para ele saber quem era caso eu precisasse contactá-lo. E, vejam só, eu esqueci de chamar naquele dia, mas lembrei no próximo e o que começou com um "Oi, professor, é Bruna" se estendeu à longas conversas virando noites e perdendo o vocativo.

Uma intimidade estava se formando. Eu esperava o dia todo que ele chegasse do trabalho e me chamasse no celular. Descobri depois que acontecia o mesmo da parte dele. Tudo muito bem, muito bom, normalzinho, era uma amizade sincera... Até que ele passou um dia inteiro fora e chegou tarde da noite. Esse meio tempo foi o mais doloroso que se pode imaginar. Meu peito doía, eu não entendia o porquê, minha mãe me perguntou várias vezes se eu estava doente, algo no meu rosto não estava muito bom. Quando eu já havia perdido as esperanças, tarde da noite ele chegou dizendo que havia viajado a trabalho. 

Não sei se isso aconteceu antes ou depois de um dia que passei a tarde inteira conversando em sua casa. Ele me fez uma massagem, meditamos e ficamos conversando na cama. Aquela sensação... Ou eu fazia muito tempo que eu havia sentido ou nunca tinha feito parte da minha vida, até aquele momento. Histórias, risos, segredos, tudo saía e acontecia de modo tão fácil. Tive certeza naquele instante que era ali que eu deveria estar, tinha algo muito certo naquele espaço de tempo, naquela cama. Deitado ao meu lado olhando para mim, eu fazia questão de estar sempre olhando para o teto, não queria tombar com aqueles olhos, não queria saber o que se passava naquela mente, algo me dizia que era a mesma coisa que se passava na minha.

Mesmo assim tombei e enrijeci. Não poderia beijá-lo. Ele não me via dessa forma. Ia me perguntar se eu estava louca. Eu só poderia estar mesmo, não havia outra explicação. Mas ele não enrijeceu. Ele me perguntou se eu queria outra massagem e eu queria mas meu rosto balançou negativamente. Ele percebeu, claro que sim. "Quer, quer sim" Então veio para cima de mim e massageou minha cintura olhando nos meus olhos, tocou meu rosto e desceu paras as pernas. Notei que suas mãos subiam mais do que antes, pelo jeito ele não queria uma barreira imaginária criada pela moral e os bons costumes. Ele a derrubou. 

Depois voltou a sua posição original e disse que não havia só aquela forma de fazer massagem. Àquela altura ele já estava com a mão na minha barriga como se fizéssemos isso há anos. Ele apenas se inclinou e passou a barba onde antes estava a sua mão. Sempre perguntando se eu tinha certeza daquilo e eu assentindo, ele já estava se movendo em cima de mim, rápido e devagar ao mesmo tempo, beijando meu corpo ao mesmo tempo que me tocava com o dele. O celular toca, é minha mãe. Meu Deus, já está escuro, preciso ir. Ele me acompanha e parece nervoso, na verdade mais nervoso com o que poderia passar pela minha cabeça do que pelo acontecido. 

Nenhum beijo (boca à boca, pelo menos) foi dado nesse dia, mas algo muito intenso tinha acontecido. Algo desconhecido para nós até então. Uma eletricidade tão simétrica e inexplicável que até que ele falasse o contrário, eu acreditaria que só havia acontecido em mim e guardaria aquilo para sempre comigo. 

Não acreditava que algo sério brotaria dali. Mas brotou. Faz um ano que vem brotando e eu nem sei se o conheço direito. Acho que não poderia dizer que 365 dias somado com quase dois anos seria suficiente para conhecer alguém. Para conhecê-lo. Espero mais 365 dias e depois mais 365, e depois ainda mais 365, e daí por diante. Não quero conhecê-lo por inteiro, não quero compreendê-lo, só quero que ele seja ele e se ele me quiser do lado para ver isso, eu vou ficar muito feliz.

26 comentários:

  1. Aw que coisa fofa de se ler. Espero que seja muito feliz :)
    Beijos, boas festas,
    http://i-dreamer-girl.blogspot.pt/2017/12/a-playlist-essencial-para-o-natal.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Beatriz, tudo de bom pra todos nós <3

      Excluir
  2. Que texto lindo, Bruna! Me lembrou de coisas que senti esse ano, mas acho que no meu caso não era para ser. Espero que vocês fiquem bem e que essas sensações maravilhosas perdurem e intensifiquem.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que pena, Helen!
      Talvez tivesse de ser, mana, mas você não percebe agora, algumas pessoas passam por nós para gente aprender algo, para gente crescer. Não é o modo mais indolor de crescer, eu sei, mas lá na frente quando a gente olha pra trás, temos tanto orgulho do que nos tornamos que essas pessoas acabam ficando nas boas lembranças. Fique bem, viu <3

      Excluir
  3. Não é engraçado como a vida nos prega peças? A gente acha que sabe tudo, mas, no fim das contas, não faz nem ideia do que está acontecendo ao nosso redor. É tão gostoso aproveitar os momentos com quem a gente se sente bem, e entender isso como uma resposta para todos os outros momentos que não fizeram nenhum sentido. "Mas Gus, meu amor, você não imagina o tamanho da minha gratidão pelo nosso pequeno infinito", acho que essa frase de ACEDE resume seu texto com precisão ♥ Amei ler cada palavra, cada sentimento colocado aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo muito engraçado com a vida brinca com nós, meros seres humanos haha às vezes a gente não saca na hora que era necessário alguns acontecimento mas aí depois... tudo passa a fazer sentido, que pena que a gente só dá mais atenção e agradece quando é algo bom, momentos não tão bons também são necessários, né? Essa frase de ACEDE é mesmo linda, espero que nosso infinito dure muito :3 Obrigada pelo carinho, Kelly <3

      Excluir
  4. Que história! Nossa, a vida é mesmo surpreendente!
    Felicidades!

    ResponderExcluir
  5. Eeeeeeita! Eu sei que o pessoal tá comentando que o texto é lindo (e é mesmo) num sentido emocionante, mas o que me chamou atenção mesmo foi os dois na cama huaihauihau. Mas sabe que um dos dias mais inteeeeeensos da minha vida, num sentido além do romance, foi num show que fui com meu ex (quando já era ex heihei) em que não houve beijo, não houve nenhuma declaração, nem sequer um abraço, mas estávamos MUITO PRÓXIMOS? Não estávamos de mãos dadas, mas com os braços propositalmente grudados. Não demos sequer um abraço, mas os óculos estavam se tocando de tão próximos que estávamos. Depois nunca tive um dia como aquele. Acho que tem uns amores que idealizamos, umas pessoas que são inalcançáveis, e de repente temos esses momentos que nos marcam...Ai ai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha amei a sinceridade, Sophie. De vez em quando esses momentos acontecem mesmo, a gente só consegue sentir na hora e relembrar depois, nunca são esquecidos. Sempre bom ter boas lembranças, até mesmo com ex haha
      Obrigada pelo comentário e pela memória compartilhada <3

      Excluir
  6. Eu me identifiquei tanto com as sensações... O sentimento inexplicável que brota, a admiração seguida por observação dos movimentos, dos costumes. Tudo é tão intenso, tão poético.
    Que texto! Além de despertar a poesia na gente, nos faz (re)lembrar o quanto é bom sentir. Tudo.

    Baú de Canto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaaah, Johnny, muito obrigada por esse comentário lindo. Um elogio assim e mais vindo de quem escreve tanto haha fico muito besta <3

      Excluir
  7. Eu gostei tanto desse texto. É delicioso ler sobre um encontro tão bonito e inesperado! Me identifiquei em várias partes porque minha história de amor era também absolutamente imaginável de se acontecer, e ainda assim, aconteceu. As coisas que são inesperadas são as melhores nessa vida. Felicidades à vocês, que possam descobrir-se juntos cada dia mais ♥

    um beijo,
    acid-baby.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz mesmo de você ter gostado, Ana. Se não gostasse eu ia escutar da mesma forma pra poder melhorar ainda mais viu, tô sempre com ouvidos bem abertos pra críticas vindas de vocês, pessoas incríveis <3

      Excluir
  8. Que texto mais lindo! Identifiquei-me com tantas coisas. Esse sentimento inexplicável é simplesmente maravilhoso de se sentir, não é verdade?
    Felicidades aos dois, querida.

    Beijos,
    Dicolored Winter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Carine, você é uma fofa. Fico muito feliz por você ter gostado <3

      Excluir
  9. MINHA FILHA, QUE TEXTO FOI ESSE QUE EU ESTOU NO CHÃO ME RECUPERANDO ATÉ AGORA.
    Essa sensação deve ser tão boa, né? Saber que o que você sente é recíproco... Seu texto ficou incrível de verdade, e espero que vocês passem mais milhões de 365 dias juntos!

    Cheiro de Pipoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAAAHHHHH OBRIGADA, SUA LINDAAAA *-*
      Fico muito feliz que você tenha gostado, obrigada pelo comentário e volte mais vezes, viu. Tudo de bom pra todos nós <3

      Excluir
  10. Que texto mais lindinho😍
    As vezes as coisas acontecem nos momentos certos, e esses momentos talvez não sejam oq a gente planejou. super estruturado o.texto, parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Julia! E, realmente, a gente acaba de impressionando com esses momentos haha

      Excluir
  11. Aiiiin não tô tendo estrutura para comentar. Que texto! Você sabe usar as palavras tá bem. E que linda é a história de vocês. Quando tem que ser nada impede, uma hora ou outra acontece e que bom que aconteceu com vocês. Desejo muitas felicidades e amor ainda mais forte! E parabéns mais uma vez pela forma que vc escreve. Eu suspirei aqui!
    Beijos!
    Tamara
    tamaravilhosamente.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, sua fofa. Fico tão feliz com esses comentários, obrigada por isso. Toda felicidade e amor pra todos nós, viu, volte mais vezes <3

      Excluir
  12. Oie, tudo bem? Que texto mais inspirador, reflexivo, e bonito. Acredito que tudo o que acontece em nossas vidas nos ensina alguma coisa. Tudo serve para nos amadurecer, para vermos a vida de uma forma diferente, e agradecer as coisas boas que Deus nos proporciona. O tempo que ficamos ao lado de alguém é relativo, podemos conhecer alguém uma vida inteira e ela não nos acrescentar nada, ou conhecer alguém um dia e nos marcar para sempre. 2017 foi um ano incrível, cheio de grandes realizações, pessoas legais, e acontecimentos inesquecíveis. Sua história é uma dessas coisas marcantes e inesquecíveis. Tudo de bom pra você. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Erika, que comentário mais lindo :3
      Uma das coisas mais maravilhosas do meu 2017 foi ter esse cantinho, conhecer vocês e trocar figurinhas haha <3

      Excluir
  13. QUE AMOR DE DECLARAÇÃO <3
    consegui sentir tudo pelas palavras. você merece um prêmio, menina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OMG OBRIGADAAA!
      Não sabe como me deixa feliz esse comentário, sei nem o que dizer ><

      Excluir

Oi, obrigada por vir e volte mais vezes ♥

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial